Itupava – Mirante do Cadeado

A partir de R$ 90 por pessoa

Detalhes

No segundo cruzamento do Caminho do Itupava com a ferrovia foi construído, em madeira, o escritório da Comissão Construtora sobre uma elevação imediatamente abaixo da terrível passagem do Cadeado, que dali desfrutava uma vista privilegiada da serra e das obras em andamento.
No refeitório foram recepcionados a Princesa Izabel com o Conde D’Eu em dezembro de 1884 e todos os convidados da viagem inaugural de 2 de fevereiro de 1885. Também aí desembarcou em 20 de maio de 1894 a comitiva de sepultamento aos mortos na chacina do Km 65, ápice da Revolução Federalista no Paraná. Foi nesta época uma parada de serviço com posto de vigia sobre o trecho mais perigoso da serra, mantendo um pluviômetro para monitorar as chuvas na região.
Tornou-se um dos locais favoritos do pintor Alfredo Andersen que o eternizou em suas telas. Na década de 1960 foi demolida e o Engenheiro Raphael Semchechem construiu sobre suas fundações o atual mirante e a curiosa capela de Nossa Senhora do Cadeado, inaugurada com uma missa em 5 de fevereiro de 1965.
Passagem do Cadeado
Até 1770 o Caminho do Itupava só permitia a passagem de homens carregando fardos às costas e quando as coroas portuguesa e espanhola voltaram a separar-se, recomeçaram também os atritos na fronteira entre as colônias do sul e foi então designado o Ten. Cel. Afonso Botelho de São Paio e Souza para fortificar a costa e ocupar os sertões de Tibagi até as barrancas do Rio Paraná. Nascem assim a passagem do Cadeado e a fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres na Ilha do Mel.
O Cap. Antonio Francisco, morador de Paranaguá, recebeu a incumbência de recuperar o caminho, mas percebendo a dificuldade de conduzir as tropas militares e o armamento pesado pelas barrancas do Rio Ipiranga traçou um atalho enfrentando diretamente a vertente da montanha. Com sucessivas explosões de pólvora mandou cavar uma vala curva, lembrando a argola dos antigos cadeados, na grande pedreira a beira do precipício.
O local tornou-se temido por gerações, mas a obra além de possibilitar o imediato trânsito das tropas militares e seus canhões, também liberou a passagem para os animais de carga percorrerem toda a extensão da estrada.
As tropas do Ten. Cel. São Paio foram emboscadas e trucidadas pelos índios nos sertões de Guarapuava.
Fonte: caminhodoitupava.com.br

O que está incluído
Transporte operacional a partir do centro de Morretes, condutor local especializado e seguro atividade.

Atrações

  • Biodiversidade
  • Calçamento original do séc. XVII
  • Ferrovia Paranaguá/Curitiba
  • Mata Atlântica
  • Parque Estadual Marumbi
  • Rios e riachos
  • Santuário Nossa Senhora do Cadeado

Informações

Via estrada das Prainhas, no vilarejo Porto de Cima.

Calçados reforçados
Lanche reforçado
Água potável
Mochila
Anorak
Lanterna
Baterias reserva
Câmera fotográfica
Protetor solar
Repelente para insetos
Roupa leve
Roupas extras
Chapéu ou boné
Medicamentos de uso pessoal

Posto do IAP.

Localização

Preços

No. de PessoasPreço
Min. PessoasGuia BílingueAdultoCriança
1 R$ 260,00 R$ 260,00
2 R$ 130,00 R$ 130,00
3 R$ 90,00 R$ 55,00
[booking_area]

Anexos

Contato

Mensagem enviada com sucesso.

Roteiros Similares (13)